8/12/2007

DIA DOS PAIS

Oi!!!

Bom início de semana.Hoje, como a gente sabe, é comemorado o Dia dos Pais aqui no Brasil. Então, vou falar exatamente sobre esse assunto.

Já sei que alguém vai dizer que eu tô me metendo num assunto que não é meu, porque esse é um blog GLBT e, portanto, ‘ser pai’ não é um assunto pra ser discutido aqui.rs
Bom, eu quero lembrar que a maioria esmagadora dos bissexuais são (ou, no mínimo, já foram) casados com mulheres e tiveram filhos com elas. E até mesmo muitos homossexuais puro-sangue já tiveram uma ou outra relação sexual com mulheres. E dessas relações, algumas vezes, nasceram filhos.
Portanto, ‘ser pai’ é um assunto pra ser discutido aqui também.
Bom, a gente já passou daquela fase em que a sociedade exigia que você tivesse filhos, ou então você era mal visto. Isso não existe mais, a não ser em grupos sociais extreeeeemamente conservadores, né?
Hoje, pelo que eu posso perceber, a gente só vê 2 tipos de pessoa que quer ter filhos: um é aquela pessoa que tá muito preocupada com questões de herança, de sucessão, do que ela vai deixar quando morrer e tal; e o outro é aquela pessoa que tem um sonho sentimental muito indispensável de ter filhos.
Bom, EU não me enquadro em nenhum dos 2 casos. Primeiro porque eu não tô preocupado com o que eu vou deixar e, quando eu morrer, vão ter lá uns centavinhos na minha conta pra ficar pra quem quiser rs. E segundo porque eu não tenho o sonho sentimental de ter filhos. Aliás, pelo que dá pra perceber, quem tem esse sonho é aquela pessoa que quer ser vista pelo filho como um herói invencível, um ídolo acima do bem e do mal e coisas desse tipo... E a mim não interessa que ninguém me veja como esse ‘ser perfeito’ rs. Eu me sinto muito bem sendo mortal, humano e imperfeito. E não sou tão prepotente a ponto de querer ser mais do que mortal, humano e imperfeito.
Dá pra ver que o pai pode até não se considerar perfeito, mas, ele quer que o filho pense que ele é perfeito, né? É mais por aí. Na frente do filho, ele quer posar de perfeito.
E é por isso que, mais tarde, vem aquele julgamento tão rígido por parte do filho. É que, durante a vida inteira, a mensagem que o pai transmitiu pro filho foi a idéia de que ele (o pai) tava sempre certo, tinha sempre razão, sempre sabia o que devia ser feito, sempre sabia o que era melhor... Ora, um ser tão perfeito assim não tem o direito de errar, né? Tem a obrigação de acertar sempre. Então, o que o filho vai cobrar do pai no futuro é simplesmente o que ele aprendeu: que o pai acerte sempre, que o pai teja sempre certo, que o pai tenha sempre razão... E consequentemente, diante do mínimo erro que o pai vier a cometer, o filho vai massacrar ele. É ou não é? Só que a culpa não é DO FILHO por ter esse julgamento rígido. Como eu já expliquei, foi o pai quem ensinou o filho a ver ele assim. Então, se a gente pode falar em ‘culpa’, essa culpa é exclusivamente DO PAI.
Mas enfim: eu mantive a sensatez racional de não ter filhos. Não cometi a insensatez sentimental de ter.
Mas, pra quem ainda pretende cometer essa insensatez, vamos falar um pouco aqui sobre o assunto... Antes, só quero lembrar que não tô dizendo aqui que ter filhos é certo ou errado. Até porque só quem pode saber isso é a própria pessoa que pretende ter. Vamos só analisar as conseqüências.
Em primeiríssimo lugar, vamos lembrar que um filho é pro resto da vida, de uma forma muito mais definitiva do que um casamento, inclusive. Porque se a sua relação num casamento não der certo, você pode acabar com esse casamento. Mas se a sua relação com um filho não der certo, não tem como você acabar com esse filho, né?rs Você pode até não se aproximar mais dele, não ter mais contato com ele e tal. Até aí ainda é possível. Mas não tem como mudar os fatos, nem biologicamente nem oficialmente, de que você tem aquele filho.
Mas a relação com o filho pode dar certo? É CLARO que pode! Aliás, pode ter vários resultados diferentes. Olhe ao seu redor que você vai ver pais de todos os tipos: excelentes, bons, regulares, ruins, péssimos... E isso sem contar que o mesmo homem pode ser mais de 1 desses tipos de pai. Por exemplo, por melhor pai que o cara tenha sido durante a infância do filho, se ele não tiver conseguido acompanhar o desenvolvimento desse filho, ele pode ser um verdadeiro fracasso como pai durante a adolescência do filho. Ser pai de uma criança é completamente diferente de ser pai de um adolescente.
Além disso, é preciso pensar também nas questões financeiras. Pra ter 1 filho, você já tem que ganhar BEM. Pra ter mais de 1, você tem que ganhar MUITO BEM! Não se esqueça que um salário X pruma pessoa sozinha pode dar pra tudo e ainda sobrar no fim do mês. Mas esse mesmo salário X pruma pessoa que sustenta outra pessoa pode não dar nem pra fechar a semana! E quanto maior for o número de dependentes que a pessoa sustenta, menos esse salário vai dar.
Pra encerrar, eu quero lembrar que, pra ter filhos, não basta querer mais ou menos ter. Tem que querer MUITÍSSIMO ter! E além de tudo o que eu disse, as dificuldades de convivência também são muitas. E isso até me faz lembrar daquela música Não Basta, do Franco de Vita. Acho que a letra dessa música já diz tudo:

Não basta
Trazer ao Mundo porque é obrigatório
Ou porque faz parte do matrimônio
Ou porque você errou nos seus planos
Não basta
Colocar numa escola decente
Porque na vida cada vez é mais duro
Ser o filho que o pai quis fazer
Não basta
Se o afeto que tem dado é bem pouco
Tudo por culpa do maldito trabalho
E do tempo
Não basta
Quando ele quis falar de um problema
Você disse pra deixar pra amanhã:
“Hoje é tarde, eu estou cansado”
Não basta, dar pra ele o que podia comprar
Um automóvel, antes de se formar
Pra viver o que você tem perdido
Não basta
Você achar que é um bom pai, excelente
Porque isso é o que dizem os parentes:
“A teu filho nunca faltou nada”
Não basta
Quando ele quis falar sobre sexo
Ele viu a vergonha em seu rosto
E se foi
Não basta
Porque quando ele teve um problema
Resolveu com os amigos da esquina
O que tinha, era o que havia
Não basta
Um presente, quando não é sincero
Não basta
Se o que ele necessita é de afeto
Aprender o valor dessa vida
O seu pai não vai ser eterno
Não basta
Você brigar por ele ter chegado tarde
Porque agora ele já é um homem
E não quer precisar de você


Se você tá pensando em ter filhos, pense muito em tudo isso antes de seguir em frente. E depois de pensar, a sua consciência é que manda.
E se você já teve filhos, faça o melhor que você puder fazer. Como eu disse, não é impossível ser um pai bom ou mesmo excelente.

Es posible ver que tal vez un padre no se vea como un ser perfecto, pero le gusta que su hijo lo vea así. Enfrente al hijo, él actua como si fuera perfecto. Por eso, más tarde, el hijo lo juzgará con toda aquella rigidez. Por toda la vida, el mensaje que el padre dio al hijo fue que él (el padre) estaba siempre cierto, tenía siempre la razón, sabía siempre lo que debía ser hecho, sabía siempre lo que era lo mejor... Bueno, un ser perfecto así no puede nunca errar. Tiene la obligación de hacer todo cierto siempre. Es solamente eso que el hijo cobrará en el futuro. Querrá que el padre sea perfecto. Y si el padre hará qualquier error, el hijo lo masacrará. Pero la culpa de pensar así no es del hijo. Como yo ya dije, fue el padre quien lo enseñó a verlo así. Entonces, si se pude hablar de “culpa”, esa culpa es solamente del padre.
Es necesario recordar que un hijo es para toda la vida. Muy más que un casamiento. Porqué si tu relación con tu hijo se quedará mal, tú no podrás divorciarte del hijo, como sería posible en un casamiento que no se quedó bien.
¿La relación entre un padre y su hijo puede quedarse bien? Es claro que sí. Es cierto que tú viste ya todos los tipos (buenos y malos) de padres, que tienen todos los tipos (también buenos y malos) de relaciones con sus hijos. ¿Pero ya viste que el mismo hombre puede ser más de 1 tipo de padre? Por ejemplo, él puede ser un padre maravilloso cuando el hijo es un niño, pero puede cambiarse en una desgracia de padre cuando el hijo es un adolescente.
Y también es necesario recordar que, antes de tener hijos, tiene que se pensar en el tema financiero. Para tener 1 hijo, tienes que ganar bien. Para tener más de 1, tienes que ganar MUY bien.
Para acabar, es necesario recordar que, para tener hijos, no es suficiente apenas querer hacerlo. Es necesario querer mucho, mucho, mucho, mucho, mucho hacerlo.

È possibile vedere che forse un padre non pensi a sé stesso come un essere perfetto, ma gli piace che suo figlio pensi a lui così. Davanti al figlio, lui fà tutto come se fosse perfetto. E per questo, nel futuro, il figlio lo giudicherà severamente. Per tutta la vita, il messaggio che il padre ha dato a suo figlio è che lui (il padre) stava sempre certo, aveva sempre la ragione, sapeva sempre quello che doveva essere fatto, sapeva sempre quello che era il migliore... Bene, un essere così perfetto non può sbagliare mai. Ha l’obbligo di fare tutto giusto sempre. È solo questo che il figlio vorrà nel futuro. Esigerà che il padre sia perfetto. E se il padre sbaglierà comunque sia, il figlio lo “massacrerà”. Ma la colpa di pensare così non è del figlio. Come ho già detto, il padre l’ha insegnato a pensare così. Se si può parlare di “colpa”, questa colpa è solamente del padre.
C’è bisogno di ricordare che un figlio è per tutta la vita. Anche più di un matrimonio. Perché se la tua relazione con tuo figlio non è buona, tu non puoi divorziare da lui, come sarebbe possibile in un matrimonio che non è rimasto bene.
La relazione fra un padre e suo figlio può rimanere bene? Chiamaramente. È certo che hai già visto molti tipi di padri (buoni e mali) che hanno molti tipi di relazioni (anche buone e male) coi loro figli. Ma hai già visto che lo stesso uomo può essere più di 1 tipo di padre? Per esempio, lui può essere un padre meraviglioso quando il figlio è un bambino e diventare una disgrazia di padre quando il figlio è un adolescente.
Dobiamo anche ricordare che, prima di avere figli, c’è bisogno di pensare ad un certo problema: soldi. Per avere 1 figlio, tu devi guadagnare bene. Per avere più di 1 figlio, devi guadagnare MOLTO bene.
Per finire, c’è bisogno di ricordare che, per avere figli, non basta soltanto volerlo. C’è bisogno di volerlo molto, molto, molto, molto, molto.

Perhaps, a father doesn’t see himself as a perfect being. But he wants his child to see him in this way. To his child, he acts as if he were perfect. Because of that, the child’ll have that very strict judgement of his father in the future. For all his life, the child’ll have learned from his father that he’s (the father’s) been always right, everything he’s done has been correct, he’s always known what the child has to do, he’s always known what is the best to be done... Well, a such powerful being cannot do mistakes. He has the obligation to do everything correct all the time. And that’s what the child’ll want from him in the future. He’ll want his father just to be a perfect being. And he’ll “massacre” his father for any mistake done. But thinking in this way isn’t the child’s fault. As I said, he learned that from his father. So, if it’s possible to use the word “fault”, it’s only the father’s fault.
I have to remind you guys that a child is something which lasts forever. Much more than a marriage. Because if you and your child don’t have a good relationship, you guys may not divorce from each other, as it would be possible in a marriage.
Can the relationship between a father and his child be happy? Of course it can. You’ve certainly seen different kinds of fathers who have different kinds of relationships with their children. But have you ever perceived the same man can be more than 1 kind of father? For example, he can be a wonderful father during his child’s childhood and a real shit-father during his child’s adolescence.
By the way, the quantity of children you’ll have will be proportional to the quantity of money you’ll spend. It’s VERY important to remember!
Finally, don’t forget the most important: if you intend to have children, you can’t only want it a little; you have to want it very, very, very, very, very much!


Até!

11 Comments:

Blogger Menino G said...

Menino! que postzinho longo, heim!
Vc tem algum complexo de Édipo em relação ao seu pai?! Nossa, nunca achei que vc iria se delongar tanto sobre esse assunto.

PS: Adorei a biografia do Imperador Adriano, tenho tara pela vida desses antigos imperadores romanos, eles é que sabiam viver!

2:58 PM  
Blogger Menino G said...

Querido, sobre o post do Alexandre Frota, um ex meu afirma de pé junto que já transou com o Frota. Se é verdade ou só tiração de onda não sei. Mas ele tinha uma foto com o Frota.

3:28 PM  
Blogger kinho said...

oi leo

parabens sempre um texto inteligente, bem montado em suma um texto de "time" ahhahahahhahahaha.
adorei o termo homossexual "puro sangue " ahahaha será que sou um cavalo desses tambem ? ahhahaha
bom a ideia de ter filhos é muito complexa mesmo so um idiota põe um filho no mundo pra sofrer. pq se a justiça divina funciona e ela funciona esse mesmo idiota voltará como o mesmo filho que ele gerou apenas pra sofrer passa o q ele fez o filho passar isso delega-se
"karma"

beijos

4:29 PM  
Anonymous Leo Carioca said...

Menino G→ Acho que o post ficou grande porque tem muito pra se criticar sobre esse assunto, né?
Sobre o Alexandre Frota, imagino que ele já fez de tudo em relação a sexo, né?

Kinho→ Outra expressão que eu gosto é ´´150% gay``.rs
Bom, eu quero lembrar que não tô falando contra quem quer ter filhos. Só tô lembrando que é uma decisão que você tem que pensar 1 milhão de vezes antes de tomar. E quem decide ter filhos, antes de ter, tem que lembrar de tudo isso que eu disse no post e mais um pouco, né?
Beijos!

2:55 AM  
Blogger Anderson Kbção said...

Ola Léo!
Muito obrigado pela visita!
concordo contigo sobre o encontro deles na piscina, deixou muito a desejar...mas enfim...vale a pena!
E seus textos menino!
Sempre maravilhosos, cheios de inteligencia, com ar de quem sabe o que faz...e sabe mesmo!
bom, linkei vc no meu blog ok?
e se possivel, me add no msn ok?
anderson_robertodasilva@hotmail.com
falemos mais!
abraços

3:36 PM  
Blogger KAIKE said...

nossa..
que texto inteligente....
não entedi uma coisa...
homossexuais de "puro sangue"?
me parece mais um termo nazista (acho que exagerei neste comentario)
mesmo assim adorei ele.
abração

4:45 PM  
Blogger alximist said...

ei, cade voce? esqueceu de ligar? Pena. Mais RJ com é gostosa esta cidade...

8:10 PM  
Blogger Mariposo-L said...

Sabe que nunca tive esse lance de curtir pai , não sei se por que o meu sempre este muito distante de mim .. sei lá ..
Acho que com as previsões pessimistas para o futuro e muito egoismo querer ter um filhos hoje em dia .... alias "fazer" filho qualquer um faz .... "criar" um filho poucos fazem !!!

Um abração

9:40 PM  
Blogger RIC said...

«... O outro é aquela pessoa que tem um sonho sentimental muito indispensável de ter filhos.»

Quando cheguei aqui, pensei que este sonho sentimental fosse o positivo, não o do pai herói que quer moldar o filho à sua imagem e semelhança... É que eu acredito que, independentemente da orientação sexual, um homem queira ser pai por razões altruístas, ainda que compreenda que hoje em dia é bem complicado criar e educar um filho.
Eu teria gostado muito se, no momento próprio, tivesse sido pai. A minha vida, hoje, seria completamente diferente. Tenho a certeza. Hoje, entendo também muito melhor quando se fala no «apelo do sangue»: ele existe de facto, mesmo entre parentes desavindos...
Este teu texto vai ainda dar-me que pensar. Por isso, obrigado!
Abração!

12:42 AM  
Blogger Kaka said...

Oi Leo!

Rapaz! Esse assunto se tornou mais complicado do que eu esperava! rs Eu, talvez, me enquadre na segunda opção: "um sonho sentimental indispensável de ser pai!", mas acredito não ser um sonho de ser um pai herói... seria um pai amigo... assim como eu não tive! Inclusive, eu gostaria de ter sido pai muito jovem...ao vinte anos por aí... fico alucinado quando vejo pais jovens! rs
Mas, eu sei, tenho ciência de toda a dificuldade de se criar um filho... tanto que denominei de desafio o sonho de ser pai no texto do Dia dos Pais em blog!

Respondi o e-mail!
Beijo

12:58 AM  
Anonymous Leo Carioca said...

Anderson Kbção→ Valeu!
Linkei o seu blog aqui também.
Eu não tenho MSN, mas a gente se fala, com certeza.
Abraços.

Kaíke→ Homossexual puro-sangue é o cara que é homossexual convicto, que gosta só de homem... Enfim, é o cara que não quer nem chegar perto de xereca, entendeu?rsrsrs
Abração!

Alximist→ Cara, desculpa aí!
Depois eu passo lá no seu blog e explico o que aconteceu. Mas espero que vocês tenham se divertido aqui no Rio.
Abração!

Mariposo-L→ Também acho.
O Mundo que vai existir no final desse século não vai ser um Mundo nem um pouco fácil em temros de Natureza. Botar um filho no Mundo pra isso é até meio sádico, né?rs
Abração!

Ric→ Eu acho muito difícil (mas não impossível, é claro) encontrar um pai que não queira ser visto pelo filho como um ser superior, acima do bem e do mal e tal. Mesmo que ele queria ter um filho pelo mais cândido amor, parece que ele sempre quer em troca ser visto como aquele que sempre estará acima, ou alguma coisa assim.
Bom, abração.

Kaká→ Muitos poucos tiveram um pai amigo. E a relação com o pai, quase sempre, é mais difícl do que com a mãe.
É um desafio, sem dúvida. E um desafio de resultados impossíveis de se prever.
Grande beijo.

4:38 AM  

Postar um comentário

<< Home