4/16/2007

RUDOLF NUREYEV 1938-1993

Olá!!!

Bom início de semana pra todo mundo.
Hoje vamos dar uma olhada em mais um personagem histórico gay: o bailarino, coreógrafo e ator soviético Rudolf Nureyev.

Rudolf Xämät Uli Nuriev nasceu num trem, que tava indo pra Vladivostok, em 17 de Março de 1938.
O pai dele tava viajando pra lá a trabalho, já que era um oficial do Exército Soviético.
O Rudolf era descendente de tártaros e foi criado no Bascortostão.
Na escola, ele já demonstrava interesse pela dança. E logo notaram o desenvolvimento acelerado dele. Mas, devido à explosão da 2ª Guerra Mundial (que começou quando o Rudolf tinha 1 ano de idade e só terminou quando ele tinha 7) e mais o período de pós-guerra que veio depois, não foi na infância que ele pode se dedicar mais a isso.
Só com 17 anos, o Rudolf pôde entrar pro Instituto Coreográfico de Vaganova, ficando lá até os 20, em 1958. E no ano seguinte, ele tava no Balé Kirov, se tornando um dos astros principais em pouco tempo, e assumindo o nome artístico de Rudolf Nureyev.
A fama dele se espalhou por outros países e ele teve permissão até pra se apresentar na Áustria (e olhem que o simples fato de sair da União Soviética já era bem complicado naquela época). Mas, quando ele voltou, foi proibido de sair do país de novo.
O motivo principal dessa proibição é que a KGB tava investigando o Rudolf, depois de ter descoberto que ele era gay.
Em 1961, devido a problemas de saúde, o bailarino principal do Kirov, o Konstantin Sergeyev, não pôde fazer o tour do balé que tava programado pela Europa. Então, os responsáveis pelo balé pediram às autoridades soviéticas pra que o Rudolf fosse liberado pra substituir ele. E a permissão foi dada, desde que ele ficasse incomunicável com qualquer estrangeiro. Mas, na França, o Rudolf tratou de violar essa regra, como costumava fazer sempre que recebia uma ordem.
Tendo recebido uma ordem de voltar pra União Soviética imediatamente, devido a essa violação, o Rudolf entendeu que seria preso assim que pisasse lá. Então, ele fingiu que concordava em voltar e, no aeroporto, na hora de embarcar, ele conseguiu, de uma forma não muito clara, se esconder e fugir.
O Governo Soviético parece ter se preocupado mais em se livrar dele do que em levar ele de volta. Então, em vez de caçar o Rudolf pela França, os soviéticos lançaram uma ordem de exílio contra ele, proibindo ele de voltar à União Soviética.
O Rudolf se sentiu até muito feliz com isso, pois passaria a viver em liberdade pra sempre. Ele só guardou uma mágoa disso: não podia mais ver a mãe, que tinha ficado na União Soviética sem poder sair de lá. E ele sempre tentou conseguir uma autorização pra visitar ela, mas sempre era negado.
Bom, na França, o Rudolf continuou a carreira de bailarino, já sendo tratado desde o início como um grande astro. Mas também levava uma vida muito promíscua, trepando com todos os homens que conseguia, e que eram vários. E isso não se devia apenas à fama dele, mas também beleza e charme dele, que seduziam todos os gays que conheceram ele.
Ainda em 1962, o Rudolf estreou como ator no filme Les Sylphides, inspirado no balé do mesmo nome. Mas a carreira dele de ator não se desenvolveu muito porque, como ele mesmo reconhecia, ele não era feito praquilo.Ele chegou a aparecer nu em alguns filmes. E aí a gente vê um dos motivos pelos quais ele arranjava parceiros sexuais com tanta facilidade.

Em 1964, o Rudolf se mudou pra Áustria, onde, com apenas 26 anos, ele se tornou dançarino e coreógrafo chefe da Ópera Estatal de Viena. E ele trabalharia lá até 1988.
Quando foi se apresentar na Dinamarca, o Rudolf conheceu o bailarino Erik Bruhn. E os 2 começaram a namorar. Mas a relação foi sempre muito difícil, principalmente porque o Rudolf continuava tão promíscuo quanto sempre tinha sido. E isso magoava muito o Erik, que esperava um mínimo de fidelidade dele.
Apesar disso parecer apenas safadeza do Rudolf, a questão era mais séria: o Rudolf tinha um problema muito sério em se submeter a regras. Até porque a idéia de obedecer qualquer regra lembrava a ele a repressão que ele tinha sofrido na União Soviética. E se relacionar só com uma única pessoa não deixava de ser uma regra, né? Além disso, os problemas que o Erik teve com ele não foram só de infidelidade sexual, já que o Rudolf era muito inconseqüente e muito impaciente com tudo. E era o Erik quem tinha que segurar ele e, dentro do possível, tentar consertar os erros que ele cometia.
Apesar dessa personalidade difícil dele, todos os amigos de verdade que o Rudolf fez adoravam ele. E muitos colegas de trabalho menos favorecidos contam que foram sempre ajudados por ele nos momentos mais difíceis.
Depois disso ele se apresentou na Austrália, Estados Unidos e vários outros países. E ele procurava se informar o máximo possível sobre todos os assuntos, o que deu a ele uma cultura vastíssima!
Lá pelo final dos anos 70 e início dos 80, pôde se perceber que o Rudolf começou a perder a forma e já não tinha mais o mesmo estímulo pra dançar. E também foi por essa época que ele foi contaminado pelo HIV (ainda continuava trepando com todo mundo).
Depois da morte do Erik, em 1986, o Rudolf começou a adquirir uma aparência cada vez mais sem saúde. Mas muitos pensavam que era simplesmente depressão. Até porque ele negava indiscutivelmente que tava doente.
Só em 1989, o Rudolf, conseguiu a permissão pra visitar a mãe dele, que tava morrendo.
Nessa época, ele foi convidado pra dançar mais uma vez com o Kirov. Mas, com 51 anos e a saúde já bem abalada, não conseguia mais fazer muita coisa no palco.
De qualquer forma, ele aproveitou a ocasião pra visitar todos os amigos que não via fazia já 28 anos.
Depois disso, a pouca saúde que o Rudolf ainda tinha terminou de se esgotar.
Tendo voltado pra França, ele morreu em Paris, em 06 de Janeiro de 1993, faltando 2 meses pra fazer 54 anos.
O Rudolf é visto até hoje como um dos personagens principais da História do Balé Mundial e considerado por muitos o maior bailarino que já existiu.

Rudolf Xämät Uli Nuriev è nato in un treno, viaggiando a Vladivostok, nel 17 di Marzo del 1938.
La sua famiglia è tatari. E lui ha vissuto nel Baskortostan.
Da bambino, Rudolf si dava molto bene colla danza. Ma lui non ha avuto la disponibilità di svilupparsi perché c’era la Seconda Guerra Mondiale.
Solo ai suoi 17 anni, Rudolf è arrivato all’Istituto Coreografico di Vaganova, dove lui resterebbe per 3 anni, prima d’entrare nel Kirov. Allora, lui ha avuto il nome artistico di Rudolf Nureyev.
Lui è diventato conosciuto in altri paesi. Ed ha avuto il permesso di andare a Austria. Ma quando è tornato, lui non ha avuto il permesso di lasciare l’Unione Sovietica di nuovo, perché la KGB ha scoperto che lui era gay.
Comunque sia, nel 1961, Rudolf ha avuto il permesso di andare in Francia per sostituire Konstantin Sergeyev in un tour. Ma lui non poteva essere insieme a nessuno straniero (quello propriamente che lui farebbe).
Rudolf ha ricevuto un ordine di tornare nell’Unione Sovietica. Ma lui è scappato nell’aereoporto francese. Ed il Governo Sovietico ha fatto l’uso dell’esilio contro lui.

When Rudolf was exiled from the Soviet Union, he got even happy: then, he was free! But he might not see his mother again (she was still there).
In France, he continued his dance career. And even then as a great star.
Rudolf wasn’t only famous, but also very charmy and handsome (you guys can see what I mean above). So he had all the men who he wanted.
His 1st time as an actor was in 1962, in
Les Sylphides. But it really wasn’t his main talent.
In 1964, Rudolf moved to Austria, where he remained as the chief of choreography of Vienna State Opera.
When he went to Denmark, he met dancer Erik Bruhn, who became his lover. But their relationship was very difficult. Not only because Rudolf used to have sex with many, many other men, but also because he was a very impulsive and not patient guy. And Erik had to help him all the time to solve some kind of problem.
Actually, Rudolf had serious problems to obey anything or anybody. Obeying was hateful to him, because it reminded him his past in the Soviet Union.

Rudolf tenía una personalidad realmente difícil. Pero él tuvo muy buenos amigos. Y siempre ayudaba sus compañeros cuando lo necesitaban.
El tenía una gran cultura, gracias a sus esfuerzos para conocer asuntos diferentes en todos los paises donde se iba.
Prójimo al fin de los años 70 y comienzo de los 80, Rudolf fue contaminado por SIDA (tuvo relaciones con muchos y muchos hombres por toda su vida).
Después de la muerte de su amante Erik, en 1986, Rudolf comenzó a ganar una apariencia enferma. Pero se pensaba ser solo algun tipo de depresión.
En 1989, Rudolf tuvo el permiso para ver su madre que estaba moriendose (no la encontraba hacía 28 años, por no haber tenido el permiso antes).
Rudolf fue invitado a danzar otra vez en el Kirov. Pero su poca salud y sus 51 años no lo ayudaran hacer mucho.
El pudo ver también sus antigos amigos en esa época. Después, su salud se quedó peor y peor. Y el regresó a Francia, moriendose en 2 de Enero de 1993, 2 meses antes de cumplir 54 años.
Rudolf es visto hasta hoy como uno de los personajes principales de la Historia del Ballet Mundial y por muchas personas como el mayor de todos los bailarines.


Até a próxima!

6 Comments:

Blogger Bi du Surf said...

Fala Cariocaaaa, saudades de tu cara. Olha, que bailarino gostosin hein, hehehe. e como vc está?

abração

12:56 PM  
Blogger Bofiscândalo said...

ola como vai? Mas sempre muito culto né, acho o máximo vc colocar essas biografias para trazer a tona pessoas que são esquecidas hj e que merecem ser reconhecidas, abção ate mais

4:33 PM  
Blogger René Daniel said...

Hola: gracias por recordarnos la vida de Nureyev... Vale la pena siempre aprender de su valentía ante las situaciones difíciles que tuvo que afrontar en su vida.
tk,
besos,

9:05 PM  
Blogger Mariposo-L said...

Nussa vc fez eu me lembrar dessa historia que já tinha até me esquecido ..... porque será que a promiscuidade dos atores gay vem a tona ? E os atores heteros ?

11:19 PM  
Anonymous eliseu said...

Confesso que esse é mais um homem que eu nunca ouvi falar. Começo a achar que eu não sou nada culto.
Mas mesmo não conhecedo-o, gostei do que vi. Acho que ele tinha um bom corpo, ou melhor, acho que todos os bailarinos têm um bom corpo.

4:20 PM  
Anonymous carioca said...

Bi du Surf→ Também tava com saudades.
Abração.

Bofiscândalo→ Com certeza.
Abração.

René→ Es una persona para recordamos para siempre, ¿verdad?
Besos.

Mariposo→ Eu acho que a promiscuidade do héteros também vem à tona, só que chama menos atenção.

Eliseu→ Todos eles são obrigados a ter um bom corpo, né? Até por questões profissionais.

4:56 PM  

Postar um comentário

<< Home