3/15/2007

O MAIOR DOS METAL HEROES

Olá!!!

Bom, hoje vou falar sobre alguém que vai completar 44 anos esse mês. Qualquer brasileiro que tem entre 20 e 30 anos (ou mais) hoje deve se lembrar bem dele nas telinhas brasileiras no final dos anos 80 e início dos 90, em vários seriados que passavam naquela época. Então, com vocês, o ator, diretor, dublê e dublador japonês Hiroshi Watari.

Hiroshi Watanabe nasceu em 20 de Março de 1963.
Durante a adolescência, ele pensava em ser cantor e até tentou investir nessa carreira, mas achou que não tinha voz pra isso. E aí ele começou a pensar em ser ator.
Como tinha a intenção de trabalhar em filmes de ação e aventura, o Hiroshi esperou fazer 18 anos (antes disso não se pode entrar no curso de dublê) e, em Abril de 1981, ele se matriculou no Japan Action Enterprise (que na época se chamava Japan Action Club), que dava formação de ator e dublê simultaneamente.
O Hiroshi era visto pelos professores como um dos alunos mais dedicados.
Em Agosto, ele teve a 1ª experiência como ator de teatro, no musical Stuntman Monogatari, adotando o nome artístico de Hiroshi Watari. E seria mesmo ao teatro (principalmente aos musicais) que ele sempre se dedicaria mais.
Depois, o Hiroshi estreou como dublê em Sentai Sun Vulcan. E no mesmo ano, ele teve ainda no filme Makai Tensei.
Em 1982, ele participou do seriado Space Cop como dublê em alguns capítulos. Mas, em 2 capítulos do final, ele entrou como ator mesmo, interpretando o personagem Den Iga, que seria o substituto do Gaban, o herói principal, interpretado pelo Kenji Ohba.
Curiosamente, esse seriado só foi exibido no Brasil em 1991, 9 anos depois de ter sido filmado! E nem chamou muita atenção por aqui, devido à saturação: 16 tokusatsus (seriados japoneses) tavam no ar na televisão brasileira naquele ano.
Bom, como eu disse, o personagem do Hiroshi chegou pra substituir o do Kenji, porque, em 1983, com 20 aninhos, ele protagonizou o seriado Sharivan, que era a continuação de Space Cop. Sim! Esses 2 seriados foram os primeiros metal heroes, o estilo de tokusatsu mais característico dos anos 80.
A idéia era criar uma versão mais infantil de Star Wars (super na moda naquela época, né?), em estilo japonês. E funcionou muitíssimo bem! Pelo menos, naquela época...
Era o Hiroshi mesmo quem atuava em todas as cenas de luta e ação. Afinal, ele tinha treinamento de dublê, né? E todo mundo dizia que ele tinha nascido pra coisa mesmo.
O Hiroshi só teve que ser substituído nas cenas de ação porque acabou quebrando uma perna numa cena em que caiu de uma moto no 26º capítulo. Mas ele nem pensou em parar com o seriado: pediu que as cenas dele fossem reescritas de forma que ele aparecesse sentado, sem aparecer a perna, e seguiu em frente até conseguir andar de novo, apesar dos 7 pinos que teve que botar na perna.
O Hiroshi diz que Sharivan não foi só o 1º trabalho de destaque dele, foi também o trabalho preferido dele. Mas só seria lançado aqui no Brasil em 1990.
Curiosamente, esse seriado também fez um sucesso muito grande na França.
Sharivan também rendeu ao Hiroshi o filme Iga No Kabamaru, assim que ele terminou o seriado.
Quanto à história de Sharivan, continuou com Shaider, outro seriado, gravado em 1984 e protagonizado pelo falecido Hiroshi Tsuburaya. E no início de 1985, quando Shaider terminou de ser gravado, os 3 atores principais dos 3 seriados se encontraram num capítulo especial (interpretando os seus respectivos personagens) no qual se lembravam das antigas lutas que tinham travado contra os vilões espaciais.
Mas enfim: em 1985, o Hiroshi apareceu em Jaspion, o 1º metal heroe a ser exibido no Brasil, apesar de já ser o 4º gravado no Japão.
Ele interpretava o Boomeran (que na tradução brasileira teve o nome alterado pra Boomer-Man), um personagem misterioso que, no início, ninguém sabia se era herói ou vilão, até que se aliou ao personagem-título pra lutar contra os verdadeiros vilões do seriado.
Ocorre que o ator Hikaru Kurosaki, que interpretava o Jaspion, tava em cartaz com uma peça naquele mês. E algumas cenas de luta foram reescritas pra que o personagem do Hiroshi substituísse o personagem dele.Foi o Hiroshi mesmo quem desenhou e sugeriu a roupa do Boomeran. Ficou assim:


O personagem foi tão bem recebido pelo público que ficaria presente até o final do seriado. Mas, devido a uma inflamação na perna, ainda devido ao acidente com a moto, o Hiroshi teve que sair, depois de gravar 5 capítulos. Quando o seriado já tava chegando ao fim, ele voltou e apareceu em mais 2 capítulos.
Foi graças a esse ‘entra e sai’ que Jaspion ficou mais movimentado do que a maioria dos tokusatsus (geralmente, os momentos mais marcantes acontecem na 1ª semana, por volta do 15º capítulo, por volta do 30º capítulo e na última semana, enquanto o resto do seriado fica numa certa mesmice, né?rs).
Jaspion seria o metal hero que demoraria menos a chegar no Brasil: tava aqui depois de 3 anos, em 1988. E com a exibição de Sharivan aqui em 1990, o Hiroshi se tornou um dos atores japoneses mais conhecidos pelo público brasileiro naquela época.
Ainda em 1986, ele protagonizou outro seriado: Spielvan, que só seria lançado aqui no Brasil em 1991.
Esse seriado não deu muito certo: a história começou legal, mas foi visivelmente descendo a ladeira em qualidade conforme foi se aproximando do fim. Aliás, o último capítulo ficou tão horrivelmente mal feito que a distribuidora brasileira se recusou a comprar! Ele é inédito por aqui! A questão é que a história teve um fim tão sem pé nem cabeça que o próprio Hiroshi, depois, confessou numa entrevista que não entendeu!rs
E o seriado também não foi muito levado em conta no Brasil. Pra vocês terem uma idéia, o personagem do Hiroshi se chamava Joe Yosuke. Mas na tradução brasileira teve o nome bizarramente alterado pra Kenji Sony! E as bizarrices brasileiras não pararam por aí: o título original do seriado foi mantido na tradução, mas ele era anunciado na programação com o aberrante título de Jaspion II! Nem é preciso dizer que a audiência no Brasil foi das piores, né?A única coisa boa de se ver aí era mesmo o Hiroshi, que, com 23 aninhos e 1, 72 m de altura, era sem dúvida um dos atores japoneses mais bonitos da época.


Em 1987, ele saiu de cenas dos tokusatsus dos anos 80 fazendo uma participação especial em 2 capítulos de Metalder.
Por falar em tokusatsus dos anos 80, dá pra ver claramente que quase todas as cenas de ação desses seriados foram gravadas no mesmo lugar. Se tratava de uma pedreira que a Toei (a companhia produtora desses programas) sempre alugava pras cenas que tinham muitas explosões, grande movimentação de veículos e tal. Inclusive, o lugar foi apelidado de “Pedreira da Toei”, apesar de ser só alugada pela Toei, né?
Depois disso, o Hiroshi se dedicou basicamente ao teatro. Mas também fez vários comerciais pra televisão e gravou alguns filmes de época.
Em 1997, ele teve em Ultraman Dyna.
Em 2001, o Hiroshi dirigiu o seriado Wecker, fazendo também algumas participações secundárias como ator. E até foi à França, pra fazer a divulgação.
Em 2003, ele teve no Brasil pela 1ª vez, pra participar do Anime Friends e divulgar o filme Zebraman. E foi uma das presenças recebidas com mais empolgação pelos fãs dos filmes e seriados japoneses.
Em 2004, o Hiroshi voltou aqui, pra participar do Ressaca Friends, voltando também na França nesse mesmo ano.
Os fãs dos tokusatsus consideram ele um dos atores japoneses mais gentis e simpáticos.
Nos últimos anos, o Hiroshi tem se dedicado mais às peças de teatro e à dublagem de desenhos animados e filmes.

Hiroshi Watanabe was born in March 20th, in 1963.
In his teens, he intended to be a singer. But he thought his voice wasn’t good enough for that. So, he decided to be an actor.
In 1981 (he was 18), Hiroshi went to Japan Action Enterprise, the ex-Japan Action Club. He became an actor and stuntman, after having been one of the best students.
In August, Hiroshi worked as a theater actor for the 1st time, in
Stuntman Monogatari. And then he got Hiroshi Watari as his stage name.
His 1st time as a stuntman was in
Sentai Sun Vulcan. And his 1s movie was Makai Tensei.
In 1982, Hiroshi was in
Uchu Keiji Gyaban as a stuntman and, in the last 2 episodes, as an actor. His character was Den Iga. And in 1983, he was in Uchu Keiji Shariban as Den Iga again. But this time as the main hero.
Uchu Keiji Gyaban and Uchu Keiji Shariban were the first metal heroes, Japanese TV series which intended to be a child version to Star Wars.
Hiroshi worked as a stuntman also in
Uchu Keiji Shariban. But he broke his leg in an accident in the 26th episode and had to stop it.
Anyway, he continued there as an actor.
Hiroshi says that was his favorite TV series. And it was a success in Brazil and France.

Quando ha lasciato
Uchu Keiji Shariban, Hiroshi è andato al film Iga No Kabamaru.
La storia di
Uchu Keiji Shariban ha continuato in Uchu Keiji Shaider, in 1984, ma senza Hiroshi. Quando questa serie è finita, Hiroshi Watari, Kenji Ohba e Hiroshi Tsuburaya (gli attori principali di Uchu Keiji Gyaban, Uchu Keiji Shariban ed Uchu Keiji Shaider) sono stati insieme in uno speciale.
Nel 1985, Hiroshi (Watari) è stato in
Kyoju Tokusou Juspion, col personaggio Boomeran.
Hikaru Kurosaki, l’attore principale di questa serie aveva uno show teatrale in quella settimana ed il personaggio di Hiroshi sarebbe al suo posto in alcune scene.
Boomeran resterebbe nella serie per un po’ di tempo. Ma Hiroshi ha avuto dei problemi di salute ed ha avuto bisogno di lasciarla. Ma lui è tornato alla fine della serie per altri 2 episodi.
Kyoju Tokusou Juspion è stata una serie giapponese che ha avuto qualche tipo d’originalità, diverse delle altre, che non hanno molti cambiamenti.

En 1986, Hiroshi estuvo en
Jikku Senshi Spiruban.
La historia de ese serial comenzó buena, pero después se cambió en una cosa sin calidad ninguna. Y el último capítulo fue tan horrible que la distribuidora brasileña no lo compró. Es inédito en Brasil. Y hasta mismo Hiroshi dijo que no pudo entender lo que se pasó allá.
En verdad,
Jikku Senshi Spiruban no fue un serial bien tratado en Brasil. Joe Yosuke (el personaje de Hiroshi) tuvo su nombre cambiado para Kenji Sony. Y el própio serial tuvo su nombre cambiado para Jaspion II.
La única cosa buena del serial fue el joven Hiroshi, con sus 23 añitos. Uds pueden ver arriba que él era uno de los actores japoneses más bellos de aquella época, ¿verdad?
En 1987, él estuvo en 2 capítulos de
Sho Jinki Metalder. Y esa fue su última vez en un serial japonés de los años 80.
Después de eso, Hiroshi trabajó mucho como actor teatral. Pero hizo también algunas películas y anuncios publicitarios para TV.
En 1997, él estuvo en
Ultraman Dyna. Y en 2001, en Wecker.
En 2003¸Hiroshi estuvo en Brasil por la primera vez, para participar del Anime Friends. Y regresó en 2004 para participar del Ressaca Friends.
Sus fans lo veen como uno de los actores japoneses más amables y corteses.
E los años más recientes, Hiroshi tien trabajado más como actor teatral y actor vocal.


Bom, até a próxima!

3 Comments:

Blogger Mariposo-L said...

Afff, você acredita que nesta época eu trabalhava , na fabrica de brinquedo Glaslite, que vendia o boneqinho do Jaspion .... faz tempo heim ....

12:04 AM  
Blogger Kaka said...

Oi amigo!

Eu acho ele muito bonito! rs Assistia ao Jaspion tb! hehe Quanto tempo, hein?

Beijo!

10:12 AM  
Anonymous carioca said...

Mariposo→ O Jaspion começou a passar aqui em 1988. Quase 20 anos. Faz tempo mesmo!

Kaká→ Eu também assistia. Mas eu achava o Hiroshi mais bonito. Sabe que eu sempre me masturbava pensando nele?rsrs
Beijo!

12:08 PM  

Postar um comentário

<< Home